Mulher encena seu próprio velório no Dia de Finados

Na última quarta-feira, 02 de novembro, parentes, amigos conhecidos e curiosos compareceram ao velório de Vera Lúcia em Camocim, interior do Ceará. Diferentemente do que acontece ao velar um corpo, o clima era de deboche. Isso poque a suposta defunta não estava morta.

mulher-encena-proprio-velorio-dia-de-finados

Velório contou com a colaboração de funerária

Vera escolheu o Dia de Finados para realizar um sonho que a acompanhava por mais de 14 anos, participar do seu próprio sepultamento. Após cinco anos insistindo, ela conseguiu convencer o dono da funerária a deixá-la fazer a encenação. A princípio seus familiares não quiseram permitir, mas como Vera insistiu tanto foram até presenciar a cena.

mulher-velada-viva-ceara

Cerimônia teve flores e presença de familiares

Para sua grande despedida em vida, Vera convidou parentes e conhecidos. A cearense vestiu rouba branca, escolheu um caixão do seu agrado, foi coberta por um manto de flores e foi maquiada pelos agentes funerários. Ela também ganhou a sua própria coroa de flores.

mulher-velada-viva-dia-de-finados

O seu enterro aconteceu das 9h até às 18h no feriado de Finados. Vera não levantou para ir ao banheiro e nem para comer, recebeu apenas água de coco e chá por canudinho. Ela disse em entrevista para o jornal local da sua cidade que se sentiu muito bem durante as 9 horas em que passou deitada no caixão.

Na maioria do tempo, ela representou fielmente e ficou de olhos fechados. Entretanto, em alguns momentos ela sorriu para fotos e conversou com os seus convidados.

O dono da funerária relatou que não cobrou nada pelo serviço e cedeu os materiais utilizados. Segundo ele, ficou receoso com medo dos habitantes dizerem que eles agouram e trouxeram maldição. E, principalmente, associarem isso ao nome do seu negócio. Acabou cedendo por ela ser muito conhecida na cidade e sempre insistir.

vera-lucia-velada-viva-camocim-ceara

Mulher é adepta aos velórios desde cedo

Vera não perde um velório que acontece na cidade, pede para carregar o caixão e ainda beija os mortos. Ela vai em velórios de desconhecidos desde os 15 anos.

O sepultamento ainda teve direito a uma caminhada por dois minutos com o caixão sendo levado pelos seus familiares mais queridos.

Adicione um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

loading...